Eu te Darei o Sol || Resenha

Escrito por Miaka J. S. Freitas - segunda-feira, dezembro 07, 2015

*Resenha publicada primeiramente no blog As Catarinas, da Fernanda Bizerra e colaboradora. 

Ao primeiro momento, no anuncio de lançamento do livro, não tive um pingo de interesse em ler nem ao menos a sinopse para conhecer o livro, confesso. O titulo e a capa me deu outras impressões e julguei o livro com um gênero e história totalmente diferente. Tola fui eu ao achar que o livro era outra coisa sem nem ao menos me dá o trabalho em ler sua sinopse.

Após o tempo, um amigo, blogueiro também, começou a leitura desse livro e qual minha surpresa em ele comentar o livro e falar tão ruim dele logo no inicio? E esse foi o estopim de eu querer ler esse livro e viver pedindo pra ele me passar o mesmo. Acontece que ele não me passou, mas a Fernanda me deu a chance de ler e ele e agora eu vou poder falar para vocês todas as minhas considerações.

Posso dizer logo de cara que eu adorei o livro. Amei.  Realmente não era nada que eu tava imaginando a princípio quando julguei (erroneamente) o livro por seu titulo e capa.

O livro é um romance, que fala muito mais do amor familiar, principalmente o amor de dois irmãos que sempre foram unidos até uma fissura na estrutura deles: a morte de sua mãe. O livro é um vai e vem no tempo (o que no inicio me deixou confusa para me situar na leitura, confesso), mostrando pensamentos e o modo de ver, agir dos protagonistas antes e depois da tragédia.

E mesmo vendo o ponto de vista dos dois irmãos (um casal de gêmeos), você vê o quanto a história pode ter dois lados, pode ter mentiras e verdades mal contadas e o quanto ela pode se tornar complexa, exatamente como a nossa vida. Noah e Jude nos mostram partes do que sabem e parte do que acham que sabem. E por seus olhos vemos o quão é raro tudo que tem certeza e que, o que achamos que é só a beira do mar, na verdade é fundo, tão fundo que se torna abissal.

O que me fez mais gostar do livro é o tanto de coisas que ele pode tratar, separação dos pais, o homossexualismo, a mudança da fase entre a criança para o adolescente, a perda de um ente querido, a traição... E quando falo de traição, não apenas a traição conjugal, mas sim a traição de ideais, da moral, do coração em relação a razão e por aí vai.

O tanto de coisas que o autor pode tratar num único livro é fabuloso e o que mais me atraiu e a complexidade da vida humana e todos esses sentimentos em conflito. E que a verdade pode mudar dependendo da lente que usa para vê-las. O livro foi uma experiência única e eu adorei poder tê-la. Com certeza se o autor tiver outro livro na pegada deste, eu estarei na fila para a compra, pois já virei fã.


E que logo dizer, que mesmo sendo uma narrativa complexa mas leve, sem assassinatos, traições, poderes e magia (como muitas ficções e fantasias que estamos tão acostumados em consumir), dedico a leitura apenas a aqueles livres de preconceitos, que se despidam e leiam nu, sem morais da sociedade ou de alguma religião e que encare o livro como uma forma de rever seus preceitos e antes de tudo como uma experiência, mesmo que inquietante. Não julgue ele por seus assuntos abordados, mesmo que para isso sua moral cívica diga que é errado e que se devia queimar o livro numa fogueira, as vezes um livro não é para uma leitura divertida apenas e sim para provocar aquela sensação de inquietude e mudar seu comportamento perante algo. E em tempos como os atuais, discutir esses assuntos é válido, até demais! 

  • Compartilhe:

Você poderá gostar também

0 recados

Seu comentário é muito importante para o crescimento, amadurecimento e manter a qualidade do blog.
Todos os comentários serão respondidos, então marque as notificações!
Deixe seu link no comentário, terei o prazer de retribuir a visita.
Segui. Segue de volta? Se eu gostar, seguirei com prazer!
Beijinhos da Miaka-chan =*