Ovelha - Memórias de um Pastor Gay || Resenha

Escrito por Miaka J. S. Freitas - quarta-feira, setembro 30, 2015

Não tenho palavras para começara falar desse livro.

Memórias de um homem cujo nome nem foi revelado, mesmo assim, vivas nas folhas desse livro.

Mistura da vida, das lembranças, dos desejos nunca concretizados e das interpretações religiosas. Quem bater os olhos dirá hipocrisia é o conteúdo do livro, já vos digo que são lamúrias, desespero e contradições da alma de um ser que nunca se aceitou. Não por empecilho de sua religião, mas por preconceito próprio, que cresceu com rédeas curtas de uma família rígida e até desequilibrada.

Infelizmente, as palavras ali impressas dizem muito as verdades pregadas pela sociedade que vivemos, não posso negar e nem negarei. E se de hipocrisia e blasfêmia é que chamarão o livro, é disso que chamarão boa parte da sociedade, afinal só li verdades que a comunidade tenta manter erguida para se proteger do que é diferente.

Acreditar que é errado e se armar com palavras e nomes santos, pregando o que nem cumprem em sua vida pessoal. Falar que religião o te torna santo é a maior falácia. O que tem de santo do pau oco por aí...

Mas falar de religião é pisar em ovos e gerar polêmica e esse livro é uma polêmica deste de seu titulo e capa: "Memórias de um Pastor Gay". A capa imita uma imagem de capa de bíblias de couro, muito usada por vários membros da igreja protestante e católica também. Normalmente a maior ofensa para tais religiões é seu líder espiritual praticar atitudes consideradas pecados, como o homossexualismo. Então trazer a palavra gay acompanhando o substantivo pastor, é uma ofensa e pedir pra ser polêmico na sociedade atual, onde qualquer coisa que você pode comentar, pode ofender meio mundo (infelizmente o mal da era politicamente correta).

Adorei a leitura, mas é incomodadora, pois toca em "feridas" que crescemos ouvindo do que é certo e errado. Trás algumas críticas válidas para a sociedade e algumas passagens o humor ácido que tempera o livro lembra o do autor Greogorio Duvivier em Put Some Farofa. O melhor da leitura é que ele não mostra apenas a visão do que a bíblia trás sobre isso, mas sim o que ela faz quando é interpretada pelas pessoas de visão desviada as vezes, querendo enxergar apenas aquilo que é cômodo. Mostra o egoísmo e a vontade do ser humano em ser o único com razão, o único certo, o único que entende e que os outros estão sempre errados. Mostra que as vezes o preconceito em se aceitar como diferente dos demais nasce em você mesmo e não apenas nas pessoas que o rodeiam.  

O livro é um relato, uma vida de mentiras, de não aceitação, de fuga.. Uma lamentação do que poderia ter sido e do que foi. Uma dúvida constante na vida do personagem e não um questionamento da religião em si, mas de todo o moralismo impregnado na sociedade. Recomendo a leitura, até para ampliar seus horizontes, mas se forem lê, despidam-se de seus pré-conceitos, seu moralismo acerbado e de tudo que acha certo no mundo, leia com sua nudez para interpretar e entender a obra como um todo. Se for para ler julgando-a, prefiro que não a faça. 

  • Compartilhe:

Você poderá gostar também

0 recados

Seu comentário é muito importante para o crescimento, amadurecimento e manter a qualidade do blog.
Todos os comentários serão respondidos, então marque as notificações!
Deixe seu link no comentário, terei o prazer de retribuir a visita.
Segui. Segue de volta? Se eu gostar, seguirei com prazer!
Beijinhos da Miaka-chan =*